Diretora da MK Music diz que gravadoras seculares “acabam” com os cantores

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Compartilhe esse artigo:


 
Em entrevista para o jornal Folha de São Paulo, Yvelise Oliveira, diretora da MK Music, critica as gravadoras Sony e Som Livre que agora passaram a lançar artistas evangélicos.
Para ela essas empresas estão interessadas em explorar o povo cristão já que o mercado fonográfico secular está em baixa.
Quando o jornalista pergunta à diretora da maior gravadora gospel do país sobre o interesse do mercado secular pelo gospel ela responde: “Porque o mercado deles não está bem. Sony, Som Livre… Acharam que nós somos um filão para explorar. Pegam nosso cantor e acabam [com ele], um horror.”
Para exemplificar ela completa a resposta dizendo que a MK tinha uma cantora que vendia 1 milhão de cópias e que agora na Som Livre vende apenas 70 mil. “Mas não é assim que funciona. Há uma linguagem própria. Vendemos nas Lojas Americanas, nas igrejas e também [levas] pequenas, de 20, 25 CDs”, diz.
O mercado gospel realmente tem despertado o interesse de outras empresas, estima-se que este ano a música evangélica movimentou cerca de 2 bilhões de reais. As estatísticas também dizem que enquanto a pirataria afeta 60% do mercado secular, no meio gospel é apenas 15%.
“É um mercado extremamente fiel. Tratam CD como se fosse Bíblia – e não deixa de ser Bíblia cantada. Tem pirataria, mas não como em outros meios”, disse Yvelise.
Com informações Folha de São Paulo
Obrigado por nos visitar! Gostou do nosso artigo?
Deixe seu comentário sobre esse artigo, opine, debata, esse é seu espaço!

1 comentários:

JC disse...

Essa Ivelise vem pousar de boa moça, como se a MK nao explorasse os cantores tb. O mercado é assim mesmo D. Ivelise quem paga mais ganha. Isso é apenas choro de quem esta perdendo.

Postar um comentário